Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

NÃO QUERO SILÊNCIO NOS MEUS SONOS



Quero cavalgar pela noite adentro abraçando os meus sonhos com a ternura de quem ama esse mundo nocturno vindo não se sabe donde, por onde percorro corredores imensos, cintilantes, coloridos ou não; por onde desço escadarias, canto, danço, nos mais empolgantes espectáculos onde, sabe-se lá porquê e como, sou a vedeta principal; luto, morro e renasço nas guerras mais mortíferas, vou a locais que a memória abraçou ou olho paisagens desconhecidas; encontro pessoas com as quais mantenho diálogos com o mesmo raciocínio se estivesse acordada. Já subi ao céu por uma escada de flores e vi o meu nome escrito por estrelas no horizonte. A preto e branco, a cores, em vários idiomas, mesmo os que não domino, o jogo, a provocação, o mistério da noite renova-se sempre que o sublimar acender do céu ilumina a Terra dos mortais e eu, suspensa, deslizo solta num Universo que me prende, fala, indica, provoca, quando me presenteia com encontros impensáveis onde protagonizo um filme que desconheço que dura o tempo da noite e se dissipa no amanhecer. A noite que não domino prende-me, pouso nela como se fosse um campo de algodão, um campo de sonhos, e sem temer as emboscadas das surpresas espero que a extenuação chegue enquanto esvoaço pelos espaços abertos que percorro num bater de asas desafiantes e desafiadoras. Não quero silêncio nem quietudes nos meus sonos, quero apreciar as vertigens de mundos desconhecidos.





A realidade de hoje foi o sonho de ontem. O sonho de hoje será a realidade de amanhã. E em todas as épocas se gracejou dos sonhadores (Zalkind Piatigirki)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial