Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Mourinho vai para o Barça

Nas reportagens ou entrevistas que me couberam fazer ao longo da minha carreira ainda hoje recordo algumas que por este ou aquele motivo marcaram a minha memória de forma indelével. O general Galvão de Melo, por exemplo, foi o único que se deixou entrevistar ao som de belas sonatas que ele próprio tocava ao piano. Foi magnífico, confesso, mas exigiu-me uma concentração extrema. No fim, ofereceu-me um belíssimo ramo de rosas do seu jardim, em Birre, que ele próprio cuidava com a eficiência de quem sabe do assunto e de quem adorava o tema: flores.Foi um momento de classe, sem dúvida.

Em 77/78, não preciso com rigor, neste momento, Otelo Saraiva de Carvalho falou e deixou-se fotografar enquanto punha a mesa para o almoço. Claro que não demonstrei mas estava grata ao destino por me facilitar a captação tão invulgar numa entrevista (que não tinha sido muito fácil de conseguir) com um dos heróis do 25 de Abril. Lá estava ele despreocupado e tranquilo, frente à objectiva que não cessava de disparar e eu, sentada no sofá, esperava que ele falasse muito. E falou.

Quando Ramalho Eanes se tornou locatário do Palácio Rosa fui das primeiras jornalistas a entrevistar sua mulher -que não aceitava ser tratada por Primeira Dama-, e assim que fui recebida numa das salas de Belém e me encontrei frente a Manuela Eanes o que de imediato me impressionou foi o seu tom de voz: muito melodioso e muito tranquilo. Entrevistei-a imensas vezes e em cada encontro descobria sempre mais no seu fascinante perfil humano. Aconteceram factos curiosos que continuo a lembrar. Quando nasceu o seu filho mais novo e fui ao quarto da clínica, o diálogo foi com uma mulher feliz e apaixonada. Sempre os achei um casal muito unido, apesar dos tempos em Belém, não terem sido fáceis.

Quando o Professor Gentil Martins separou, no Hospital da Estefânia, duas irmãs siamesas unidas pelo abdómen,pouquíssimos repórteres ficaram até ao fim da operação e, curioso, as baixas verificaram-se mais no elemento masculino, Até sei de quem teve de ficar com a máquina fotográfica até o colega se recompôr.

Menezes Alves, o eterno candidato a Belém, queria deixar-se fotografar ao fogão- é que ele era mesmo um excelente cozinheiro-. Eu é que achei a ideia demasiado livre para o cargo a que se candidatava e dei-lhe outra. Fiz mal. Nas eleições seguintes foi fotografado numa moto. Como ele adorava velocidades. Até hoje nunca chegou a Belém, mas deu entrevistas divertidissimas.

Álvaro Cunhal não era um entrevistado difícil, como cheguei a pensar antes de conhecê-lo. Entrevistei-o três vezes e no primeiro encontro a única divergência foi motivada por uma jarra de flores que eu queria colocar na mesa e ele recusou. Com charme, mas recusou. E ganhou, claro.

Pinheiro de Azevedo deu-me das últimas entrevistas da sua vida. Foi um sufoco. Eu e o saudoso Carlos Gil, não conseguíamos resistir ao contágio da dor do Almirante que do princípio ao fim soluçava pela situação de Olivença. Ainda hoje tenho esa entrevista gravada e, quando a ouço, fico de lágrimas nos olhos. Era uma pessoa adorável, mas não foi nada fácil gerir tanta emoção.

A entrevista, a primeira, com Maria João Pires foi tirada a ferros.Quando obti o sonhado sim, nem queria acreditar. Na sua casa,no Campo de Santana, a notável pianista portuguesa foi fluída,sincera e humaníssíma no diálogo.Mas, tocar nas teclas negras e brancas do piano, à nossa frente, é que nada deste mundo a convenceu. Sentou-se frente a ele e foi o máximo. Mais tarde compreendi a sua atitude e dei-lhe toda a razão.

Adorei entrevistar Baptista-Bastos,Pedro Oliveira, José Mensurado, Vinicius de Morais, Max (uma ternura) e quantas largas centenas de homens e mulheres que permitiram tornar densa a minha pasta de trabalhos. Foi muito bom mas como diz uma amiga: "eu não tenho idade, tenho vida!"


Só agora lembro que o título da crónica de hoje era sobre Mourinho mas, há sempre tanta coisa para contar! No futebol, só entrevistei Humberto Coelho e Futre. Eu que nunca fui a um campo, atavessei (a seu lado) o relvado do Atlético de Madrid. Que bem me senti! Até parecia que as palmas ecoavam para mim. Fui a Madrid, eu e o Jorge Jacinto, e fomos recebidos pelo menino de ouro com toda a simpatia e profissionalismo. Sobre o "número 1" não devo ter sorte nenhuma, mas o que tiver de ser, será.

Acho que ele fez bem em não querer voltar a Inglaterra. Barcelona está-lhe no destino e vai ser muito bom vê-lo dominar no sector em que é perito. A peregrinação dos portugueses pelo Mundo está a abrir-se (como um leque) ele é mais um dos bons a levar a mensagem...Mais dia menos dia estará novamente a despedir-se de Setúbal.

Por despedidas, sabe que a mais bela palavra de despedida é a japonesa:”Sayonara”, que significa (mais ou menos) “Já que tem de ser assim…”. “Auf Wiedersehen”, “Au revoir”, soa a ilusão, um até à vista; são expressões frias e parecem não oferecer consolo para a separação, não disfarçam a partida e soam como “Vai pelo mundo e sê bem sucedida”. Verdadeiramente, não há emoção.

Já “Goodbye”, “Adeus”, dizem em demasia, parece que abraçam a distância, tentando mesmo negá-la. Soa a prece “Não podes partir, não posso conformar-me com a tua ausência” ou “Se tens de ir não iras só- Deus estará contigo”.

Mas, “Sayonara” é a palavra certa. Não diz de menos nem de mais. Toda a compreensão da vida parece encerrar-se no seu conteúdo; as emoções entrecruzam-se neste adeus deliciosamente musical: “Já que tem de ser assim…”. Um fica e outro parte, protegidos pela serenidade. Despedidas são sempre situações penosas mesmo que rotineiras e breves.

Poucos serão as que não se sentem tocadas no momento culminante do adeus; pressupõe lágrimas, abraços, corações apertados, desejando o regresso rápido capaz de suavizar a separação. Se “Sayonara” é de todas as expressões a menos trágica, mais melodiosa, mais bela, não deixa de envolver uma despedida que é, sempre, marcante. Quantas de nós já não vacilou nos derradeiros momentos? Que vontade de olhar para trás, acenar e correr a aninhar-se nos braços ainda quentes do abraço prolongado? Mas, apenas partimos, com o coração em alvoroço, querendo voltar…”Sayonara”.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial