Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

quarta-feira, 30 de julho de 2008

SENHOR, ENSINA-ME

























Senhor,
ensina-me a entender o que não percebo.
Ensina-me a aceitar, a perdoar,
tal como peço que perdoes as minhas faltas.

Ensina-me, Senhor.

Ensina-me a encontrar o que procuro. A ver o que olho e não alcanço
Mostra-me os caminhos correctos da vida e perdoa a minha fragilidade.

Ensina-me, Senhor

Ensina-me a não desesperar quando a lâmina fria e aguda, empunhada por mão que considerava amiga, me feriu as costas e a Alma.
Compreende, Senhor, a minha angústia, o meu desencanto, e não permitas que me afogue nos caminhos do ódio.

Senhor, ajuda-me a entender e a superar. Orienta-me nos dias negros, de tempestades bravias, quando a força das marés me apanha desprevenida e atira-me ao encontro doloroso das rochas que ferem e dilaceram.
Protege-me quando, levada pelos ventos em fúria, fico folha caída e rodopio no ar, sem direcção nem fim.

Senhor, ouve a minha voz. Entende a minha solidão, escuta o eco das minhas preces e segura, como prometeste, na minha mão direita, lembrando-me que no mundo não há poder mais forte do que o Teu.
Entende, Senhor, o bater descompassado de um coração em pânico.
Entende-o e amansa-o, adoça-o. Controla-o, Senhor.


É tão difícil viver -aqui- contigo lá em cima, onde as pontas dos meus dedos não chegam quando, em bicos de pés, tento alcançar-te.
Quando elevo os meus olhos aos céus sei que me vês e me ajudarás quando, desesperada, não sei por onde caminhar.
Senhor, como é difícil quando, pela força das circunstâncias me esqueço que, Tu, estás sempre a meu lado quando caio em desespero ou erro.
Quando desfaleço e penso que resvalo pela montanha que não existe porque, Tu, segurando-me nos teus braços, voltas a colocar-me na Vida, com ânimo redobrado.



Senhor, obrigada.
MEB





A alma sensível é como harpa que ressoa com um simples sopro

[ Beethoven ]

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial