Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

quinta-feira, 17 de julho de 2008

46664 -O GUERREIRO DA LIBERDADE - MADIBA


Esteve preso 28 anos (1962 a 1990, recusou a liberdade condicional), no Presídio Robben Island, em Cape Town. O seu número de prisioneiro era o 46664. Foi guarda numa mina de ouro, estudante de Direito, advogado, e, na opinião dos adversários: líder rebelde, sabotador, guerreiro, activista, terrorista. Apesar disso, com todo o mérito, foi nomeado para o Prémio Nobel da Paz (1993). Nasceu em 18 de Julho de 1918, próximo de Umtata, capital da reserva de Transkei. Pertencia à família real da tribo Themba, chefiada por seu pai, Henry Gadla Mandela. A sua mãe chamava-se Noseken. Foi um dos maiores líderes políticos da História Moderna. O seu nome é Nelson Rolihlahla Mandela e concretizou (até aí impensável) o feito de ser eleito o primeiro presidente negro da África do Sul (1994 a 1999). Comandou a transição do regime de minoria, o apartheid, ganhando o respeito internacional pela sua luta em prol da reconciliação interna e externa.




A luta contra o apartheid, a postura firme e moderada no período de transição para uma ordem democrática sem segregação, o claro objectivo de operar a reconciliação nacional que norteou as suas relações com o presidente Frederik de Klerk, valeram-lhe um inesgotável prestígio no país e no estrangeiro. Mandela é, provavelmente, o político com maior autoridade moral no continente Africano, o que lhe tem permitido desempenhar o papel de apaziguador, conciliador, em tensões e conflitos. O percurso de vida de Nelson Mandela revelou-se extraordinário. Tendo estado preso 28 anos soube resistir a qualquer espécie de revolta que a ausência de liberdade poderia ter fomentado. Ele foi, e continua a ser, de tal forma brilhante que depois de se ter afastado da política activa, aos 85 anos, e se ter dedicado a causas humanitárias, recebeu as maiores distinções do exterior, incluindo a Ordem de St. John, dada pela rainha Isabel II, a Medalha presidencial da Liberdade, de George W. Bush. É uma das duas únicas pessoas de origem não-indiana a receber o Bharat Ratna, a mais alta distinção da Índia, em 1990. A outra pessoa foi a Madre Teresa de Calcutá. Em 2001 tornou-se cidadão honorário do Canadá e também um dos poucos líderes estrangeiros a receber a Ordem do Canadá. Em Novembro de 2006, foi premiado pela Amnistia Internacional com o prémio Embaixador de Consciência 2006, em reconhecimento à liderança na luta pela protecção e promoção dos Direitos Humanos.



O mundo, querendo celebrar os seus 90 anos, tem concretizado diversas manifestações de simpatia. Em Junho de 2008 foi realizado um grande show, em Londres, onde participaram cantores mundialmente conhecidos. A África do Sul emitiu uma nova série de selos. O Banco Central sul-africano lançou uma moeda de cinco rands (0,65 dólar) com o rosto sorridente do ícone da luta contra o apartheid -um selo antigo, lançado quando Mandela assumiu a Presidência da África do Sul, em 1994, continua a ser um dos selos mais vendidos na história do país-. A 29 de Novembro de 2003, a indústria fonográfica reuniu forças para um concerto em Cape Town, assistido por mais de 40.000 pessoas num show com 3 horas de duração. Em Novembro de 2002, o número 46664, passou a ser uma canção da autoria de Bono Vox e Joe Strummer. No ano seguinte, Mandela, lançou a campanha mundial de combate à SIDA com o apoio do disco 46664.



Foi casado três vezes. No dia em que celebrava os 80 anos contraiu matrimónio com Graça Machel, viúva de Samora Machel, antigo presidente moçambicano.


Parabéns ao Homem que dominou todas as circunstâncias da sua vida, que ultrapassou limites, que ousou sonhar, lutar e vencer. Que foi sofredor, sereno, humilde, sabedor e fascinante.



Tudo o que fazemos cansa. Feliz daquele que não perde as forças.


(Goethe)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial