Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

domingo, 13 de julho de 2008

PASSEIO À CHUVA


Era domingo, o sol rompia por entre nesgas de nuvens naquele dia ameno, apesar da chuva miudinha que caía. Não havia agressão climática, sentiam-se apenas as nuances do tempo numa indefinição outonal. Olha, já vai com os copos... ouvi alguém dizer atrás de mim enquanto tomava café no balcão de uma pastelaria. Não resisti e olhei para a rua onde uma senhora de idade, de cabeça branca, de passo firme e vigoroso -mesmo com alguma imponência na sua fragilidade-, passava indiferente ao que a rodeava. Reparei que ia de fisionomia sorridente e, apesar da chuva, levava a sombrinha fechada. Não sei se iria com os copos, nada transparecia. Apenas o seu bizarro passeio, alheado e divertido, sob a cadência de uma chuva apetitosa que, talvez, lhe lavasse a Alma e lhe suspendesse amarguras ou memórias. Fiquei a olhá-la e a lembrar o comentário feito. Mas, que sabemos nós da solidão ou da alegria de uma senhora idosa a quem, provavelmente, se esqueceram de amar?



O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem a maldade.

(Albert Einstein)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial