Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

QUANDO O ANJO SE TORNA HOMEM ...

Penso que o meu Anjo da Guarda, por vezes, partilha o meu espaço terreno. Por vezes, adquire forma humana e cruza os meus Oceanos de Luz onde flutuo em sucessivos ciclos de aprendizagem nos meus secretos monólogos onde lhe abro o coração e lhe falo dos meus sonhos; do esplendor da minha esperança; da vibração do espaço da fantasia -o sal da solidão- eterna, porque livre. E ele escuta. E está. Quando desequilibro e caio, quando tento e não consigo, quando exagero, desfaleço, e ele levanta-me, desperta-me, dá-me a mão, ampara-me as costas, ergue-me o queixo, sopra de mansinho nos olhos, segreda-me que a vida está na linha da frente e se os outros me valorizam ou não nunca me deve limitar e, lembra-me, que os amanhãs são sempre renovados.


Desconfio que ele, por vezes, talvez curioso com a trepidação fervilhante do mundo actual, desce à Terra e preenche o espaço do meu campo de movimentação e espia-me in loco. Seguramente que muitas vezes, apesar da prática, vai levantar os olhos ao Céu e murmurar: Senhor, perdoa-Lhe, ela é assim! Sorrirá com os meus desvarios e cerrará os lábios quando o perigo for ameaçador e lhe exigirá um esforço não humano para me salvar. Sempre que puder, dar-me- à nas orelhas, ralhar-me-à e eu prometerei este e o outro mundo de arrependimento mas, depressa, voltarei a errar. Mas ele, é o meu Anjo! Não se revolta, a sua missão é salvar-me. Comove-se com a minha fragilidade e aprecia a forma como não desisto de lutar, apesar de cair, levantar-me e recomeçar. Gosto quando ele se torna homem e eu sem saber que esse homem é ele, o olho embevecida, banhada de luz, com o Sol no coração, sorrindo à vida, movida por uma força e um entusiasmo inspirados e invulgares.



Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo.
(Antoine de Saint-Exupéry)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial