Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

domingo, 3 de janeiro de 2010

TRANSFORME OS PENSAMENTOS EM ENERGIA PURA



A meditação permite ouvir a palavra do silêncio, discernir a sua Clara-luz, no nosso interior. Essa visão não será possível se estiver numa atitude sonolenta, provoca distracção. Sente-se para meditar, com o busto direito, como uma árvore, com os olhos fechados, na posição do Vigilante. Observe muito longe em si, atentamente, com o espírito vazio, evitando o movimento dos pensamentos. É a atitude do guerreiro espiritual, do Acordado. Nenhum pensamento está, na realidade, completamente isolado porque o verdadeiro espaço está no interior e o que se passa no espírito repercute-se em todo o Universo. A vida é uma disciplina que se conjuga no presente e nela realize cada acto plenamente. Não tenha medo da solidão quando vem ao seu encontro, é o tempo certo para se reencontrar e fortificar. Aprenda, primeiro, a acalmar o espírito e a relaxar o corpo; depois, desça em si, como o Mergulhador.


Não tenha medo de conhecer a plenitude e o completo vazio, só tem uma vida, mas ela é infinita. Com a meditação, entra naquilo que não pode ser nem dividido nem separado. A meditação aproxima-o do centro de si próprio, logo que fecha os olhos, não está ligada ao curso do pensamento, nem ao jogo das emoções. Aprenda a calar-se e o seu coração abrir-se-à. A origem das coisas não está situada no passado produz-se agora, a cada instante, no seu espírito. Pode utilizar um sonho, uma recordação, como suporte para a meditação. Não analise, não reflicta. Contenta-se em observar, sem palavra, sem pensamento, como o animal fascinado observa o fogo. Transforme os seus desejos, as suas sensações, em energia pura. Considere-os como pedras preciosas, que brilham desligadas de si.


A meditação transforma a crença em realidade vivida. Utilize o seu poder, se quer mudar o mundo. Não é necessário que medite sobre os mandalas nem sobre as figuras tradicionais do Vajrayana. Toma o seu próprio desejo como objecto da sua meditação. Observe-o, de longe, sem perder o encantamento, e siga-o como se sobe um rio, até à sua nascente, ele é a chave que abre todas as portas. Aprenda o poder do amor da meditação: ela abre o coração e faz penetrar o Universo inteiro. Reúne o que foi separado pela ilusão, está imerso no fluxo da vida, deslizando com ele. Aprende a meditar com os olhos abertos. concentre-se na beleza de uma flor, no murmúrio das ondas, no barulho do vento, suprima a distância que o separa das coisas. Meditar é um acto de amor.



Se está infeliz e num estado de caos interior, não acuse o mundo pois ele não é senão o reflexo de si próprio. O que é, o mundo é-o também. Cure-se, e o mundo curar-se-á. Deve derrubar os seus hábitos de pensamento. Desça em si, com o espírito livre, consciente da sua própria divindade, da mesma forma que um espelho que reflecte o Sol. Medite por entre o tumulto da vida quotidiana, no meio dos engarrafamentos, andando na rua. Descontraia-se. Tome de repente altitude, e considera o espectáculo do mundo como um fluxo eterno, sem começo nem fim. Está no centro, o único ponto fixo, com a sua consciência, as suas sensações, as suas reflexões. Meditar assim renova a energia, e evita a lassidão. Meditar, é renunciar ao Universo conhecido e descer aos bastidores, aí é onde o espírito puxa os cordéis do jogo. É tornar a ser o grande maquinista, o criador do Universo. A meditação começa sempre por uma total descontracção do corpo físico, que elimina as tensões. Aprenda a respirar, isto é, a tornar vivos os mecanismos habituais do corpo. Reúna os pensamentos no centro de si e impeça-os de derivar.



Visualize esse centro como sendo a única realidade, se quer que a sua meditação se torne numa arma que desperta. Nós não temos nenhuma consciência de nós próprios, é por isso que o menor choque exterior nos surpreende e perturba. Reencontre o domínio interior, sem perder a inocência do olhar, e a bondade do coração. A meditação permite-lhe ocupar realmente o seu lugar, reencontrar o equilíbrio e a harmonia. Ela é a via real que leva à felicidade, o caminho mais curto, pois evita os maus hábitos do exterior, os artifícios, as ilusões. Considere o espírito como o Templo de Ouro, que contém todo o Universo. A meditação permite reunir as energias, evitando a dispersão e o desperdício, orientando os seus pensamentos para os outros. Pode curar os que sofrem, vir em auxílio dos necessitados e fazer muito bem. A meditação acorda os poderes do espírito. Se quer deslocar-se e aproximar-se de alguém, pode utilizar o poder poderoso do pensamento. Visualize o lugar que quer atingir, reunindo emoções, desejos, sem se perder em vagos devaneios.



Para isso, não deve deixar o espírito deambular, mas, pelo contrário, torna a trazê-lo para o centro de si próprio, pela meditação, sem nunca perder a consciência do Instante. Durante a meditação, deixe flutuar as ideias e as sensações, sem procurar retê-las. Deixe o vazio invadir o espírito, e sentirá um calor maravilhoso, assim como uma imensa alegria. Será, então, que a distância entre si e o mundo há-de desaparecer porque está no lugar do espírito que reúne todas as coisas. A partir deste lugar, pode agir sobre ti próprio e sobre o mundo. Descubra a profundidade da meditação, e encontrará a imediatitude do mundo. Os mestres de sabedoria ensinam que esse instante é a única realidade. Dele nascem os universos e os mundos. Os conflitos, o ódio, a violência, provêm de um desconhecimento de si, que gera dor e confusão. Não duvide do seu próprio esplendor interior. Cada ser vivo é uma estrela (D. R)




A felicidade não te espera no extremo oposto da terra ou numa vida futura. Ela está aí onde te encontras. Espreita o momento em que estarás, enfim, disposto a convidá-la, a recebê-la. Vira os pensamentos para ela. Basta, simplesmente, ultrapassar o teu medo
(Dugpa Rinpochê)

Etiquetas:

2 Comentários:

Blogger Mariz disse...

Salvé

APOSTO QUE ETE POST FOI RETIRADO DA OBRA: O LIVRO TIBETANO DA VIDA E DA MORTE.

OU PRÀTICAS DA MEDITAÇÃO

ENGANEI-ME?

Minha amiga
penso que já deve ter percebido o porquê da minha postura de vida. Estão aí inúmeros parágrafos para se debruçar e começar a meditar; o que a mente menos quer é que a larguemos...mas com empenhamento, perseverança, e força de vontade, retirando algum tempo só para nós..chega-se lá.
Tudo o mais...pouco importa.
Morremos todos os dias um pouquinho, enquanto ascendemos também todos os dias um pouquinho.
É importante que desapareça qualquer sistema de crença ou o que for, para dar lugar á liberdade de espírito e ficar absolutamente livre para O QUE SE RECEBE - ficar desprovido de tudo o que se pensa que "é assim"... - porque senão, a ligação pura não chega até nós.
Aconselho-a a reflectir e colocar de lado o que se passa pelo mundo e qual o seu ponto de vista perante esse mesmo mundo.... - já que a maioria, continua adormecida e incontinente de mente, em relação á constante preocupação que deveria ter "CONSIGO MESMO".
O aviso está feito. quem quiser que siga....

Abraço meu
Sempre...
Mariz

4 de janeiro de 2010 às 00:59  
Blogger MEB disse...

Mariz

Feliz Ano. Este post foi-me enviado por uma amiga com obras de
Dugpa Rinpochê. Se é o autor desse livro, então será. Não sei. Obrigada por mais valiosissimo comentário.

4 de janeiro de 2010 às 18:30  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial