Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

sábado, 25 de setembro de 2010

ESCUTA A VOZ DO TEU CORAÇÃO


Quando te sentires perdida, confusa, pensa nas árvores; lembra-te da forma como crescem. Lembra-te de que uma árvore com muita ramagem e poucas raízes é derrubada à primeira rajada de vento, e de que a seiva custa a correr numa árvore com muitas raízes e pouca ramagem. As raízes e os ramos devem crescer de igual modo, deves estar nas coisas e sobre as coisas, só assim poderás dar sombra e abrigo, só assim, na estação apropriada, poderás cobrir-te de flores e de frutos. E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera a volta a esperar. Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar. (S.T)


http://www.youtube.com/watch?v=rJT98ZGsW9Q





O coração é o centro do espírito
(Susanna Tamaro)

4 Comentários:

Anonymous Elisabete disse...

"Ele (o coração) conhece todas as coisas. (...) Porque onde ele estiver é onde estará o teu tesouro (...)"

27 de setembro de 2010 às 14:08  
Blogger MEB disse...

Elisabete, é lindo. E, concordo plenamente.

27 de setembro de 2010 às 18:18  
Anonymous Anónimo disse...

Conheço o texto,porque conheço o livro. Estes dois parágrafos com que Susana Tamaro o encerra, deveriam ser lidos e relidos .
Ensina-nos a parar para pensar, a reflectir e, por consequência a tomar decisões acertadas. Gosto muito de Susana Tamaro.Um beijo para si e um obrigada por nos relembrar

2 de outubro de 2010 às 21:01  
Blogger MEB disse...

Também gostei deste texto. Publicá-lo seria, seguramente, a forma certa de ir ao encontro de alguém que já o conhecesse e, assim, o relembrasse. Ou dá-lo a conhecer a quem ainda não leu o livro de Susana Tamaro. Gostei que tivesse gostado. Obrigada pela gentileza.

3 de outubro de 2010 às 00:00  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial