Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

A POLÍTICA EXISTIRIA SEM PAULO PORTAS? EXISTIRIA! MAS...NÃO SERIA A MESMA COISA!


Nunca votei em Paulo Portas (na foto, ao lado de Nuno Melo). Não o conheço, não tenho directa ou indirectamente qualquer interferência no seu espaço político. Todavia, admito, tenho pelo líder do CDS-PP admiração. Admiro-lhe a sua capacidade de renovação, quando se pensa que, pronto, foi desta que foi banido do xadrez político, reaparece qual Fénix renascida, pronto para fazer o que mais ninguém em Portugal sabe fazer com naturalidade: ir ao encontro e ao coração das pessoas. Seja nas feiras, nos mercadinhos, nas ruas, ao sol, à chuva, ele lá está de corpo inteiro e peito aberto a dizer, sorrindo: estou aqui! E as pessoas gostam disso -por entre beijinhos, abraços, gargalhadas e petiscos, cria-se um bom clima- sentem-se mais protegidas, mais confiantes e menos sós.


Ele bate-se, martela anos a fio, nas realidades sociais que atingem milhares: reformas, agricultura, pesca, subsídios, ex-combatentes. Gente fragilizada pela dureza da vida que encontram no Paulinho das Feiras, do Partido da Lambreta e da Mota, um apoio que vai dando os seus frutos. Pode demorar mais tempo mas, um dia, ele vai mesmo ser capaz de mostrar que o vigor das suas defesas tem um defensor a tempo inteiro. O seu percurso da vida é interessantíssimo. Nasceu, certamente, inteligente, irreverente e interventivo. Aos 15 anos já dava cartas, isto é, agitava as águas mansas da política portuguesa. Há momentos de Paulo Portas que lembro com respeito: quando, em 2005, prometeu muito, perdeu e retirou-se. Na hora do adeus a sensibilidade traiu-o, mas, simultaneamente, engrandeceu-o e, quando há dias o vi ao lado de José Ribeiro e Castro (as relações entre ambos estavam frias), provando que entre os dois houve diálogo, cedências onde a amizade antiga, venceu. Foi bonito. Não sei o que lhe estará reservado para o próximo dia 27, mas seja o que for, Paulo Portas será sempre um protagonista da política portuguesa. Sem ele, ela, não seria a mesma coisa.
*


É urgente inventar a alegria, multiplicar os beijos, as searas, é urgente descobrir rosas, rios, e manhãs claras
(Eugénio de Andrade)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial