Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

quinta-feira, 4 de março de 2010

O SILÊNCIO DA ESTRELAS SEM VERTIGENS


Ontem, o vento soltou-se, a chuva molhou (sem esplendor) os instantes da vida e o rumo da inércia, saturação, voltou a ameaçar os já cansados dos rigores deste Inverno. Para amanhã, anuncia-se o regresso das nuvens carregadas, do vento desabrido do mar revolto, soberbo e impiedoso mas lindo na espuma encrespada das ondas embrulhadas que lambem o caminho que querem alcançar. Hoje, a esta hora, há o silêncio das estrelas da noite sem vertigens, sem alterações climáticas violentas ou aguaceiros passageiros. Serenidade. Apenas serenidade de veludo nesta ponte nocturna que une o ontem ao amanhã e nos deixa prontas a escutar a harmonia do Universo que ultrapassa as janelas do Mundo, no dedilhar das teclas negras e brancas de um piano vibrante e emocionado.




http://www.youtube.com/watch?v=qa0Z6g1XJkU





Mesmo que seja um sonho, mesmo que seja uma ilusão, se existe dentro de si, é porque é para si!
(Zibia Gasparetto)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial