Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

ENCONTRO INESPERADO

Foto: Galeria de Fotos do Windows


...Numa das intervenções o capitão Faria foi gravemente ferido. Conduzido ao Hospital de Luanda, acabou por ser submetido a uma intervenção cirúrgica, onde lhe foi amputado o pé esquerdo. A mulher foi avisada da situação e, em desespero, chegou ao hospital que, naquele momento, começou a ser alvejado por um tiroteio intenso. Conforme começou assim terminou: rápida e inesperadamente. Lídia, uma mulher de aspecto frágil (mas forte como o aço), com a preocupação da situação do marido, e fugindo ao tiroteio, acabou por entrar numa enfermaria onde todos os doentes estavam escondidos debaixo da cama, excepto um que, sentado numa cadeira, olhava o vazio. Magro, pálido, com péssimo aspecto. Lídia olhou-o com os olhos muito abertos, chegou-se ao pé dele abraçou-o e, chorando convulsivamente, disse-lhe:


- Cardoso Fernandes, o que estás a fazer aqui?


Ele não esboçou o menor gesto e não deixou de olhar o vazio. Dividida entre o ver o marido e estar com o amigo que todos julgavam morto, optou por telefonar para o quartel e contar a situação ao comandante.


-O capitão Cardoso Fernandes está na enfermaria 3 do Hospital, venha depressa porque ele está com péssimo aspecto.


Custou deixá-lo mas tinha de ir ver o marido, não sabia concretamente o que lhe tinha acontecido. Quando chegou ao quarto ele ainda estava inconsciente. O médico informou-a da amputação, mas Lídia suportou bem a notícia. O importante era estar livre de perigo. Lídia pediu ao cirurgião, que o tinha operado que a acompanhasse a outra enfermaria. O médico seguiu-a sem perceber bem a situação. Entraram, Cardoso Fernandes estava na mesma posição.


-Doutor, este homem é um militar português desaparecido em combate. Todos o julgam morto. Já avisei o comandante da Unidade da sua presença neste hospital. Por favor, o que se passa com ele?

-Temos feito tudo para descobrir a sua identidade. Quando chegou aqui vinha sem nada que o pudesse identificar. Não conseguiu superar o estado de choque. Não fala e tudo indica que sofre de amnésia. Não reage a nada, não escuta, olha mas não vê. Está aí, somente. No meio do quadro deste hospital, apesar de tudo, não é dos piores. Está, pelo menos, inteiro. Geralmente estes casos que podem levar anos ou meses, nunca se sabe. Podem acabar por se solucionar inesperadamente ou, na pior das hipóteses, ficar assim vegetativamente para toda a vida. Neste momento a situação é estacionária.


Em menos de uma hora, o comandante estava frente ao capitão e foi com custo que conseguiu manter a compostura. Aquele farrapo humano era o que restava de um dos seus melhores oficiais, dado como morto. Sentiu uma imensa alegria e uma pena terrível. Cardoso Fernandes foi transferido para Lisboa um mês depois, e durante todo esse tempo, Lídia, o marido, os colegas mais chegados revezavam-se e falavam-lhe continuamente, na esperança de serem escutados e, assim, o trazerem à realidade. Lídia foi incansável, falou-lhe da Catarina, lembrou-lhe os jantares, os passeios que tinham feito em conjunto. Lembrou-lhe as praias. Tudo! Falou horas seguidas sem se cansar, mas sem resultado.


O marido de Lídia acabou por embarcar para Lisboa no mesmo avião de Cardoso Fernandes. No Hospital Militar foram para zonas diferentes. Lídia passou a ser o ponto de contacto entre ambos e, um dia, no meio da azáfama diária, consegue ligação para casa de Catarina. A empregada diz-lhe que a senhora está fora em serviço, no estrangeiro. Dias mais tarde, decide ligar para o jornal e deixar uma mensagem e o seu número de telefone.


-Cardoso Fernandes foi encontrado. Está no Hospital Militar de Lisboa. Aguardo contacto. Urgente. Lídia...

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial