Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

domingo, 30 de maio de 2010

PRESTE ATENÇÃO AOS SINAIS DA VIDA


Quando encontrar alguém e esse alguém fizer o seu coração parar de funcionar por alguns segundos preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida! Se os olhares se cruzarem e nesse momento existir entre eles o mesmo brilho intenso, fique alerta: pode ser a pessoa que espera desde o dia em que nasceu. Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante e os olhos se encherem de lágrimas perceba: existe algo mágico entre vocês. Se o primeiro e o último pensamento do dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus mandou-lhe um presente divino, o amor. Se um dia tiver que pedir perdão um ao outro por algum motivo e em troca receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos e os gestos valerem mais do que mil palavras, entregue-se: vocês foram feitos um para outro. Se por algum motivo estiver triste, se a vida lhe pregou uma rasteira e a outra pessoa sofrer o seu sofrimento, chorar as suas lágrimas e enxugá-las com ternura, que coisa maravilhosa: você poderá contar com ela em qualquer momento da sua vida.


Se conseguir em pensamento sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse aí ao seu lado; se achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo que ela esteja de pijama velhos, chinelos e cabelos desalinhados; se não consegue trabalhar concentrada o dia inteiro, ansiosa pelo encontro que está marcado para a noite; se não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado; se tiver a certeza que vai vê-la envelhecer e, mesmo assim, tiver a convicção que vai continuar a ser louca por ela; se preferir morrer antes de ver a outra partir: é o amor que chegou à sua vida. É uma dádiva. Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida, mas poucas amam ou encontram um amor verdadeiro. Ou às vezes encontram e por não prestarem atenção nesses sinais, deixam-no passar, sem deixá-lo acontecer verdadeiramente. É o livre-arbítrio. Por isso preste atenção aos sinais, não permita que as loucuras do dia-a-dia a deixem cega para a melhor coisa da vida: o amor! (C.D.A.)






A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade
(Carlos Drummond de Andrade)


quarta-feira, 26 de maio de 2010

SONATAS PARA SILÊNCIOS DE EMOÇÕES



Há um silêncio agradável na rua deserta que avisto do meu jardim -envolto numa mescla de aromas que activam os sentidos- nesta noite macia onde procuro a invisibilidade das ausências que recordo ao olhar o recorte das estrelas brilhantes que se espraiam pelo espaço. Estou no lugar certo para confidências, para abrir e libertar os ombros no ritmo manso de quem respira lenta e profundamente acompanhando o ondular das folhas das árvores que dão sentido ao balbuciar de segredos, à gentileza dos sonhos que me levam onde não estou. Onde tu estás. Encontro-te em glória, numa ilusão desafiante nos universos sem vazios. Olho a noite e transporto-me para as longínquas paragens tropicais que me chegam aos dias de hoje com ecos de sonatas que dão tom a fantasias adormecidas em mantos das Luas que amparam silêncios de emoções. Fixo-te os olhos, sem impaciência, e antes que pronuncies qualquer som, coloco a ponta dos meus dedos nos teus lábios. Sei que nenhuma palavra poderá ser maior do que a saudade vivida a dois sobre a baía de Luanda.



http://www.youtube.com/watch?v=R-ZXw15VvOs




Os nossos pensamentos e imaginação são os únicos limites reais para as nossas possibilidades.
(Orison S. Marden)

sábado, 22 de maio de 2010

AGORA NÓS, MISTER ONE...


Eu gosto de si. Admiro os olhos com que o vejo e valorizo-lhe o saber, a determinação, a coragem, a firmeza. Reconheço-lhe que tem uma pancada mas qual é o sábio que a não tem! E, você, José Mourinho é, à sua maneira, no seu campo de actuação, um sábio. Tem já direito à sua loucura. Não percebo nada de futebol todavia, quando a Selecção Nacional se reúne para enfrentar batalhas nos relvados do mundo eu ascendo (de imediato) a douta treinadora de bancada. E, nessa qualidade, ainda hoje me fere recordar quando escutei Felipe Scolari dizer -numa altura impensável de isso ter acontecido- aos seus jogadores (em pleno Euro 2008) que ia para o Chelsea. Caíu-me o coração aos pés tal como voltou a acontecer quando, há dias, li a sua declaração à imprensa europeia onde dizia...Portugal tem uma boa equipa com Cristiano Ronaldo, mas não chega para ganhar o Mundial. Nem com Cristiano a mil à hora teria possibilidades...



Pode ser verdade mas isto não deveria ter sido dito por si, a semanas de irmos para a África do Sul. Fiquei uma treinadora de bancada dividia entre a fúria e a tristeza ao ver abanar o pedestal do meu herói. Eu que nem fui capaz de ver o jogo que fez a Europa render-se a seus pés (eu não, estou no amuo) com medo que o Bayern lhe rasgasse o sonho. Eu que não publiquei isto no dia seguinte às declarações para não beliscar uma pontinha que fosse da expectativa de como rolaria o esférico no Santiago de Bernabéu não fossem os alemães tirar algum coelho da cartola. Deixou uma Itália ao rubro e uma Espanha em banho-maria desejosa de o ter como Mister do Real Madrid. Por onde passa, conquista. Encanta. É verdade. Mas, comigo, José, está de quarentena.





Sempre que houver alternativas tenha cuidado. Não opte pelo conveniente, pelo confortável, pelo respeitável, pelo socialmente aceitável, pelo honroso. Opte pelo que faz o seu coração vibrar.
Opte pelo que gostaria de fazer, apesar de todas as consequências
(Osho)


quarta-feira, 19 de maio de 2010

QUEM SALVA UM HOMEM SALVA A HUMANIDADE INTEIRA


Há destinos que por muito se tentem compreender, foge pelos dedos a lógica dos acontecimentos. Aristides de Sousa Mendes foi um ser humano superior, inspirador. Salvou 30 mil vidas e quando morreu, sem dinheiro e com a casa hipotecada, teve como mortalha um hábito de burel dos franciscanos. Decididamente Portugal não sabe amar os seus filhos. Hoje encontrei no FB, na página de apoio à iniciativa da reabilitação do Legado e da Casa de Sousa Mendes (em Cabanas de Viriato) que se encontra num estado deplorável (superior ao que a foto mostra, não tenho a certeza mas creio que é monumento nacional) este post de Francisco Dias e não resisti a publicá-lo.



Dez razões para apoiarmos esta nobre Causa


1. Esta é uma causa de todos nós. Não é dirigida contra ninguém, antes é em prol de todos os seres humanos, sem distinção de raça, credo, nacionalidade. Foi com esse espírito que actuou Aristides de Sousa Mendes. 2. Poucos são os homens que se regem pelo primado do universal, opondo este primado às tendências comuns para o favoritismo endogrupal e a discriminação exogrupal. 3. Mesmo quando há muitas razões para se descrer no ser humano, actos invulgares como os que protagonizou Aristides de Sousa Mendes são um sinal vivo de esperança, um sinal de que ainda há valores supremos pelos quais vale a pena lutar. 4. A identidade de um povo radica nos seus próprios valores. Homenagear e dignificar a memória de Aristides de Sousa Mendes é, ao mesmo tempo, ancorar a identidade nacional em valores universais. 5. O altruísmo pode atingir níveis a partir dos quais a pessoa se despoja de todo e qualquer resquício de egoísmo encapotado. Salvar vidas humanas, pondo em causa a carreira e o bem-estar da sua família, denota essa pureza de sentimentos que poucos de nós alguma vez poderão experimentar em toda a sua vida. 6. Quem salva uma vida merece ser homenageado. Quem salva TRINTA MIL vidas não pode ser esquecido, a menos que a consciência colectiva esteja tão amorfa a ponto de impedir os cidadãos de discernirem a dimensão da heroicidade deste acto.


7. Cabe a cada geração eleger os valores que pretende transmitir às gerações seguintes. Se queremos ser uma sociedade moderna, democrática e minimamente fraterna, devemos fazer do exemplo de Aristides uma referência fundamental. 8. A verdadeira ruptura com o regime Estado Novo ainda estará por fazer, se não se fizer justiça efectiva ao legado histórico de Aristides de Sousa Mendes (o que implica, entre outras coisas, recuperar a Casa do Passal, tornando-a um museu/memorial). 9. Cada época tem os seus heróis. Na era da globalização e da laicização das instituições do Estado, em que impera o relativismo dos valores, somente heróis absolutos como Aristides poderão servir de referência a toda a sociedade. 10. Se todos estes argumentos não bastarem, e se só o dinheiro for argumento convincente, não deixe de ver a recuperação da Casa de Aristides de Sousa Mendes como uma atracção turística e como uma potencial fonte de receitas, pela via do Turismo.
*



Rabi, se tantos judeus sofrem por causa de um demónio não-judeu, também um cristão pode sofrer com o sofrimento de tantos judeus
(Aristides de Sousa Mendes)




sexta-feira, 14 de maio de 2010

SEJA AMANTE DA ALEGRIA, SEJA AMIGA DA SABEDORIA


Você pode ter defeitos, viver ansiosa, chorar e ficar irritada, mas não se esqueça de que a sua vida é o maior tesouro do mundo. Lembre-se de que ser feliz não é ter um céu sempre azul, caminhos sem obstáculos, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem decepções. Ser feliz, é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor mesmo nos desencontros. Ser feliz, não é apenas valorizar o sorriso a alegria, mas também reflectir sobre a tristeza. Não é somente comemorar as vitórias, mas aprender lições nos fracassos. Não é só alegrar-se com os aplausos, mas encontrar alegria na escuridão. Ser feliz, é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões nos períodos de crise. Ser feliz, não é uma sorte do destino, mas uma conquista de quem sabe viajar para dentro do seu eu interior. Ser feliz, é deixar de ser vítima ou ré nos problemas, é tornar-se a autora da própria história.


Ser feliz, é atravessar desertos. Ser capaz de encontrar um oásis escondido na sua Alma. É agradecer em cada manhã pela vida. Ser feliz, é não ter medo dos próprios sentimentos e saber falar de si mesma. É ter coragem para ouvir não. Ser feliz, é saber receber com segurança uma crítica, mesmo que seja injusta. É beijar os filhos, é ter momentos poéticos com os amigos, mesmo que eles nos magoem. É deixar viver a criança que cada um tem dentro de si. Ser feliz, é saber admitir quando errou e dizer eu errei. É ser a primeira a dizer perdoe-me. É ter sensibilidade para expressar o que tem de mais profundo no coração. É ter a capacidade de dizer sem medo, amo-te. Faça da sua vida um canteiro de oportunidades. Seja amante da alegria. Seja amiga da sabedoria. E, finalmente, quando se desviar do caminho, comece tudo de novo. Assim terá cada vez mais amor pela vida e descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita mas saber usar as suas lágrimas para irrigar a tolerância. Saiba usar as suas perdas para polir a paciência. Saiba usar as suas falhas para construir a serenidade. Saiba usar os obstáculos para abrir as janelas da sabedoria. Não desista nunca de si mesma. Não esqueça nunca as pessoas que a amam. Não desista nunca de quem a ama. Não desista nunca de ser feliz. A vida é um show fantástico. (S.B.)



http://www.youtube.com/watch?v=hOA-2hl1Vbc






Não há como lutar contra os desafios da vida ou tentar evitá-los, pois todos nós passamos por ela, o que precisamos ter é coragem para enfrentar e transformar-se na flor que foi feita para ser
(S.Bernardelli)

quarta-feira, 12 de maio de 2010

BENTO XVI ABENÇOOU PORTUGAL


Senhor, fazei de mim um instrumento da vossa paz. Onde há ódio, que eu leve o amor. Onde há ofensa, que eu leve o perdão. Onde há discórdia, que eu leve a união. Onde há dúvida, que eu leve a fé. Onde há erro, que eu leve a verdade. Onde há desespero, que eu leve a esperança. Onde há tristeza, que eu leve a alegria. Onde há trevas, que eu leve a luz. Ó Mestre, Fazei com que eu procure mais consolar que ser consolado; compreender mais que ser compreendido; amar mais que ser amado. Pois é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado. (São Francisco de Assis)



Fazei coisas belas, mas sobretudo tornai as vossas vidas lugares de beleza
(Papa Bento XVI)

segunda-feira, 10 de maio de 2010

CONFUNDISTE LIBERDADE COM ILUSÃO


Estranhamente, tentas agora agarrar o mundo e deixá-lo a meus pés numa vassalagem desfocada. Momentos perdidos, desfasados no tempo que não agarraste , inebriado pela vastidão dos horizontes que te ofereciam num embrulho sedutoramente ofuscante e subtilmente perfumado. A quietude de outrora partiu perdida na confusão de labirintos que percorreste, acreditando que os sorrisos têm o poder de fazer esquecer momentos vividos incendiados de magia. Assaltaste as recordações e não conseguiste agarrá-las, as labaredas ameaçaram-te as mãos que perderam o ritmo melodioso dos concertos escutados sem arquitecturas complexas -a música é a arquitectura natural do Universo-, nas luzes difusas de madrugadas de luas sonolentas. Esvoaçaste, mas não sentiste liberdade. Não era liberdade que procuravas. Confundiste-a com ilusão. O tempo mascarou-te a verdade.




http://www.youtube.com/watch?v=so6ExplQlaY






...Era um sorriso com muita luz lá dentro, apetecia entrar nele,
tirar a roupa, ficar nu dentro daquele sorriso...
(Eugénio de Andrade)

sábado, 8 de maio de 2010

MULTIPLICAMOS BENS MAS REDUZIMOS VALORES


Nós bebemos demais, fumamos demais, gastamos sem critério, dirigimos rápido demais, ficamos acordados até tarde, acordamos muito cansados, lemos pouco, assistimos TV demais e oramos raramente, esquecemos até que Deus existe.Multiplicamos os nossos bens, mas reduzimos os nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente e odiamos frequentemente. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o Espaço, mas não o nosso. Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a Alma; dominamos o átomo, mas não o nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planeamos mais, mas realizamos menos. Aprendemos a nos apressar e não, a esperar.


Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas comunicamos menos. Estamos na era do fast-food e da digestão lenta; do homem grande de carácter pequeno; lucros acentuados e relações vazias. Esta é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Esta é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas mágicas. Um momento de muita coisa na vitrina e muito pouco na despensa. Uma era que lhe leva esta carta, e uma era que lhe permite dividir essa reflexão ou simplesmente clicar delete. Lembre-se de passar tempo com as pessoas que ama, pois elas não estarão aqui para sempre. Lembre-se dar um abraço carinhoso num amigo, não lhe custa um centavo sequer. Lembre-se de dizer amo-te à sua companheira (o) e às pessoas que ama, mas, em primeiro lugar, ame. Ame muito. Um beijo e um abraço curam a dor, quando vêm de lá de dentro. O segredo da vida não é ter tudo que você quer, mas amar tudo o que tem! Por isso, valorize o que tem e as pessoas que estão ao seu lado.(G.C)





A vida, que viagem! Viva simplesmente, ame generosamente, importe-se profundamente, fale gentilmente, deixe o resto com Deus
(George Carlin)

quarta-feira, 5 de maio de 2010

MORREU ÁNGEL CRISTO



El conocido domador y empresario de circo Ángel Cristo, de 65 años, falleció a las 00:30 de la madrugada del lunes en Madrid, según informaron los familiares en un breve comunicado.


Foi assim que tomei conhecimento da morte do melhor domador do mundo. E senti tristeza. A vida deste artista circense espanhol foi uma girândola de desafios. De emoção. De lutas travadas em várias frentes mas sempre com uma determinação renovada. Lutou até que o coração o parou de vez. Bastou uma hora para partir. Terminou a luta, a glória e os obstáculos daquele que era conhecido pelo Anjo do Circo. Conheci-o em Lisboa quando trouxe o seu Circo Russo, onde trabalhavam 300 pessoas. Com ele fiz uma reportagem dentro de uma jaula com 11 leões. Ainda hoje recordo o seu entusiasmo, preocupação, um valor artístico avassalador e uma postura humana invejável. Que descanse (finalmente) em paz.




http://www.youtube.com/watch?v=qq7ncjhSqtk





O Universo é a mudança, a vida é o que o pensamento faz desta mudança
(Marco Aurélio)

segunda-feira, 3 de maio de 2010

TEM O HÁBITO DE GUARDAR RAIVAS E TRISTEZAS?


Desde que jogo na FarmVille nunca mais tive sossego. Reconheço. Mas enquanto dura, diverte. Passei a ter a minha caixa de mensagens esgotada (há dias em que recebo mais de 200 e-mails. Já nem tenho tempo para os ler (deve ter perto de 600 para colocar em dia). Hoje tirei este, achei-o curioso. Desenvolvi os tópicos, sem alterar a ideia. Não prometo quando mas, brevemente, vou dedicar-me totalmente ao blogue.


Tem o hábito de guardar (muitos) objectos inúteis, acreditando que um dia (sabe-se lá quando) vai necessitar deles? Tem o hábito de juntar (avidamente) dinheiro, sem gastá-lo, privando-se de tudo, pensando que poderá faltar-lhe no futuro? Tem o hábito de armazenar roupas, sapatos, móveis, utensílios domésticos -recordações de toda a espécie, de todos os tempos-, e outras coisas que já não usa há muito tempo? É, mesmo capaz de ter! E, dentro de si? Tem o hábito de guardar raivas, ressentimentos, tristezas, medos e outros sentimentos negativos? Errado. Profundamente errado. Não faça mais isso! É uma atitude asfixiante que não a deixa evoluir em nenhum aspecto. Não prospera. É absolutamente necessário deixar um espaço, um vazio para que novas coisas cheguem à sua vida. É preciso que se desfaça do inútil que há em si e na sua casa para que a prosperidade aconteça. A força deste vazio é o que atrairá e absorverá o que deseja. Se acumular objectos e sentimentos velhos e inúteis não terá espaço para novas oportunidades. Os bens precisam de circular! Limpe as gavetas, os armários, a garagem, a mente. Dê o que já não usa. A atitude de guardar coisas inúteis só acorrenta a sua vida! Não são só os objectos guardados que paralisam a vida, é a atitude.


Quando sistematicamente se guarda, considera-se (fomenta-se) a possibilidade de falta, de carência. Acredita-se que amanhã poderá faltar e que não haverá maneira de suprir as necessidades. Sem se aperceber está a não acreditar em si nem na sua capacidade de vencer. Carimba-se a si própria com o rótulo de derrotada. Com este pensamento, está a enviar duas mensagens ao cérebro e à sua vida: a de que não confia no amanhã e de que o novo e melhor não são para si! Por isso sente-se bem guardando coisas velhas e inúteis, até mesmo as que não estão em perfeitas condições. Faça um esforço e mude de maneira de agir. Acredite em si e no futuro e dê a quem pode ajudar as coisas poeirentas (sem uso) que ocupam os seus armários e gavetas. Deixe o ar da renovação entrar na sua vida, nos seus pensamentos, no seu querer. E prepare-se para as mudanças que ocorrerão.










Mentes são como pára-quedas. Elas só funcionam quando são abertas
(James Dewar)