Brumas de Sintra

Ponto de encontro entre a fantasia e a realidade. Alinhar de pensamentos e evocação de factos que povoam a imaginação ou a memória. Divagações nos momentos calmos e silenciosos que ajudam à concentração, no balanço dos dias que se partilham através da janela que, entretanto, se abriu para a lonjura das grandes distâncias. Sem fronteiras, nem limites

A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal

O meu nome é Maria Elvira Bento. Gosto de olhar para o meu computador e reconhecer nele um excelente ouvinte. Simultaneamente, fidelíssimo, capaz de guardar o meu espólio e transportá-lo, seja para onde for, sempre que solicitado. http://brumasdesintra.blogspot.com e brumasdesintra.wordpress.com

segunda-feira, 30 de março de 2009

SE TE SENTIRES SÓ, ABRE OS BRAÇOS AO INFINITO


É natural que te apeteça chorar
Mas se o soluço te sufocar a garganta
Endireita as costas, levanta o queixo e sorri
Ri mesmo, abertamente,
Frente ao que te considera humilhado
Humilhante é humilhar-se os humildes.
É natural que te sintas só
E te percas na imensidão da tua solidão
Mas se ela fizer eco na tua vida e te sentires desesperadamente só
Abraça o ar que te rodeia
Respira profundamente e lembra-te
Que a vida é um desafio a longo prazo.
É um poema de heróis
Não de vencidos
Tu homem, tu mulher
Nasceram para vencer.
É natural que morras lentamente
Quando te afogas na saudade
E sintas o passado esvair-se pelos dedos
Como nuvens sopradas pelos ventos
É natural que te vires para trás
Na ânsia de caminhar para o aquém do tempo
Ansiando por recuperar sonhos e alvoradas.
É natural que as lágrimas
Queiram deslizar dos teus olhos,
E os joelhos se queiram dobrar
Ao peso dos passos parados
De quem não sabe por onde andar
É possível que a indecisão te desespere
E te sintas confusa nos dias
Que odeies o mundo que te rodeia
E que as pessoas para ti
Pareçam sombras esbatidas e fugidias
E te sintas só, desprezada,vazia, nada.
Nenhuma pessoa é ninguém!
Nem tu és o Mundo!
O que é o Mundo?
Vendavais de força
A espezinhar os fracos
Falta a força, não da Verdade
Mas a força que torna forte os fracos.
Há que iniciar a luta na selva da tua vida
Se te apetece chorar, ri
Ri, com serenidade
Se te apetecer quedar estático a um canto
Sem forças para reagir, levanta-te
Mesmo que não saibas como
Estático é que não!
Os cemitérios é que estão povoados
De estátuas adormecidas
Nos luares das noites frias.
Não deixes os outros sentir
A extensão da tua pobreza
Não mostres a simplicidade dos teus trajes
Nem as tuas ânsias secretas.
Não mostres a tua sede
Nem a tua fome, nem sequer o teu abandono
Tu, na selva, para sobreviver
Tens de mostrar força.
Não de armas.
Força dos fortes
Com dignidade e brilho no olhar
Se te apetecer chorar, ri!
Se te apetecer fugir, fica!
Se te apetecer acabar, vive!
Se te apetecer comer, espalha as migalhas
Se os teus pés estiverem feridos
Das pedras dos caminhos, dança
Se estiveres desesperadamente só abre os braços ao Infinito.
Olha em redor
Há algo vivo à tua espera!
Nunca espalhes o teu sangue,
A tua dor, o teu suor, a tua vida, sem luta.
Na vida, sobrevivem os fortes
Se és fraca, terás de deixar de O ser.
(m.e.b.)

http://www.youtube.com/watch?v=FlYgjyYvQ2o




Contempla-se o mar. À força de o vermos gastamo-nos nele, usamos por inteiro as suas quatro lembranças. Desconhece-se que delírio de ignorância nos vai arrebatar
(Marguerite Duras)


sábado, 28 de março de 2009

O MUNDO UNIDO PARA FALAR AO UNIVERSO


Hoje, 28 de Março, é o dia escolhido por homens de bom senso e de saber (Dairne Poole, organização da Hora do Planeta, WWF Nova Zelândia) para, precisamente às 20:30, mais de 3000 cidades espalhadas por 80 países (Portugal disse sim)) aderirem à iniciativa de acarinhar o Planeta Terra, oferecendo-lhe uma escuridão que o oxigenará, renovando-lhe a vitalidade que gradualmente tem vindo a perder. Por nossa culpa! É a forma humana de atravessar o Universo e dizer: estamos aqui. Queremos sobreviver. Ajuda-nos a ajudar-te...


Tudo começará nas ilhas Chatham (Leste da Nova Zelândia) onde se desligará a energia; a partir daí surgirá o efeito dominó, atravessando 25 zonas de diferentes fusos horários e reunindo milhões de pessoas como nunca aconteceu no Planeta (pensa-se em mil milhões), uma iniciativa e um alerta aos líderes mundiais que se vão reunir, em Dezembro, na Cimeira das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que decorrerá em Copenhaga e de onde sairá um acordo que substituirá o de Quioto que não teve uma trajectória gloriosa. Recorde-se como foi nociva a Administração Bush que nunca respeitou as directrizes daí emanadas, sendo, como se sabe, a América um dos países mais poluidores do mundo. Obama tem mostrado intenções bem diferentes.


Portugal vai aderir pela primeira vez a esta fabulosa iniciativa. Muitos monumentos estarão às escuras. Espera-se que em cada casa portuguesa se faça o mesmo. Chamemos a nós a quota-parte de acção que nos pertence e, desligando as luzes, tornamo-nos um elo na cadeia universal que tem uma força poderosa neste apelo global. Olhe para as estrelas como nunca olhou (é o seu tecto há milhares de anos) ao fazê-lo, realiza uma viagem de milhares de quilómetros, sem dar um passo. Vamos, juntos, partilhar a esperança numa grande lição de vida e de humildade.
*

Diante da vastidão do tempo e da imensidão do Espaço é uma alegria para mim compartilhar uma época e um Planeta consigo
[ Carl Sagan]

quarta-feira, 25 de março de 2009

O HOMEM-ARANHA VAI SALVAR-TE


A dureza da vida actual não facilita a divulgação de notícias boas, positivas, capazes de transmitir alegria e admiração, que nos deixem tranquilos e não crispados perante o desfilar de acontecimentos, nacionais e internacionais, o que nos faz desligar a Rádio ou a Televisão e perguntar a nós próprias: para onde caminhamos? Há dias, o bombeiro tailandês Somchai Yoosabai, deu ao mundo uma valiosíssima lição de inteligência, de sensibilidade e de amor pelo próximo (a regra de ouro da vida). Ao responder à chamada de uma escola, em Banguecoque, a equipa de bombeiros dirigiu-se ao local e viu um rapazinho sentado num parapeito de uma janela alta. A situação era preocupante o que levou a directora da escola para crianças com cuidados especiais a chamar a polícia e a mãe do jovem que era autista e tinha oito anos.


No meio da aflição a mãe disse, casualmente, aos bombeiros que o filho adorava os super-heróis. Yoosabai ouviu e de imediato correu para o quartel de onde veio fantasiado de Homem-Aranha, fato que costuma usar quando nas escolas, faz demonstrações sobre o que se deve fazer em caso de incêndio. Sem imaginar, a chorosa mãe tinha acabado de salvar o filho. Curioso. Assim que o jovem viu o seu herói conseguiu sair do habitual mundo de isolamento e foi capaz de concentrar-se e ouvir as palavras que se iriam revelar mágicas: o Homem-Aranha está aqui para te salvar, nenhum monstro te atacará. Yoosabai, pediu para que ele andasse lentamente (correr seria perigoso). O menino assim fez: levantou-se e, sorrindo, foi calmamente ao encontro do grande herói, com os olhos a brilhar como se neles existissem constelações de estrelas.

*


Você nunca sabe que resultados virão da sua acção. Mas, se não fizer nada, não existirão resultados
(Mahatma Gandhi)

terça-feira, 24 de março de 2009

JAMIE OLIVER NO 10 DA DOWNING STREET



A verdade é que não sendo eu uma dedicada, amantíssima e exímia cozinheira (não gosto é mesmo de cozinhar), sempre que apanho este Jamie, na Sic Radical, não o perco. E a tonteira é tanta que já vi e revi imensos programas seus que o canal insiste em retransmitir e eu em ver! Já aprendi a fazer legumes com tofu na frigideira e é sucesso no meu castelo. Qual será, então o motivo do fascínio? Cozinhar não é; não como carne, não consumo lácteos, nada de fritos. Qualquer feijãozinho, abóbora, grão ou atum (a minha perdição) me satisfazem. Mas aquele ritmo trepidante com que Jamie Oliver junta, amassa, bate, enrola e rebola os alimentos, prende-me a atenção. Já sei que não dispensa o azeite e quando usa o sal acrescenta de imediato pimenta negra. Segredos do meu guru.


Mas, a sua exuberante e colorida quinta, a maneira como ele anda por entre os nabos, as couves, já o vi subir a uma árvore para apanhar um cogumelo enorme e esquisitíssimo que cozinhou, comeu e sobreviveu! E quando se senta de galochas ao ar livre e assa, sei lá o quê, no seu rústico e infalível forno que deixa cada prato num pitéu visual. O diálogo dele com os ingredientes é imperdível. No fundo, o que acho mesmo é que ele tem uma saudável pancada na forma como vive alegremente a vida e isso, no início da noite, no tempo da tranquilidade, faz-me rir. Noite em que não o vejo -também Jon Stewart do Daily Show-, não é noite completa. Falta-me algo.


Pois o meu mestre de culinária vai ter oportunidade de cozinhar para os líderes mundiais que formam o G-20 e que se reunirão em Londres, a 2 de Abril. Olhem só a qualidade da plateia que ele tem de alimentar! Não sei que pratos elaborará (a lista só será divulgada no dia 1, quando os líderes dos vários países jantarem na residência oficial do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, no numero 10 da Downing Street) mas não constará de 19 pratos como na ultima cimeira, dos G-8, facto que escandalizou os analistas (o tema da reunião era somente este: a fome mundial!!!). De uma coisa estou certa: serão pratos confeccionados em três tempos, levarão azeite, sal, pimenta negra, coentros, rosmaninho, orégãos, tomilho, gengibre. E, serão bons! Talvez com o estômago composto, eles, o G-20 (grupo de países desenvolvidos e emergentes criado em 2003), se entendam em tempo de crise globalizada.



http://www.youtube.com/watch?v=AmY3A_BzBWk




Um momento de felicidade vale mais do que mil anos de celebridade
(Voltaire)

segunda-feira, 23 de março de 2009

A SEDUTORA PRINCESA DOS BIJAGÓS



Cada tarde era sempre a mais quente de todas as tardes, pensava assim quando saía do quartel de Bolama, onde morava, e parava quase religiosamente junto a uma árvore linda, frente à porta de armas. Adoro árvores, vi imensas em muitos lados do mundo mas, aquela, continua a ser, ainda hoje, a minha árvore de Bolama. Creio que com flores rosadas. Apesar da ex-capital da Guiné (até 1941) ter dos melhores climas guineenses a princesa dos Bijagós (88 ilhas), classificada pela UNESCO como reserva da biosfera, não deixava de ser muito quente. E, derivado à humidade, a transpiração era constante. Mas, o que era isso comparado com a energia e entusiasmo que o seu exotismo nos transmitia? Que nos impelia ao pleno fascínio encantatório da vida!


Quantas não foram as vezes que passei, passeei e deambulei (1963) por esta rua de terra batida, vermelha, como romãs frescas apetecidas. Tantas! Tantos passos vagarosos, quase saboreados, nesses cair de tardes irrepetíveis que deixavam o céu como a mais caprichosa paleta de laranjas, azuis, violeta e luz brilhante por entre nuvens. O pôr-do-Sol da Guiné é único. Hoje, estou mais saudosa do que os outros ontens; apetece-me agarrar nas lembranças, activar a memória e conseguir sentir o pó entrar pelos sapatos frescos e abertos quando piso a terra batida que me leva ao pontão de madeira, frente à ilha de S.João. E, aí, a brisa declaradamente fresca e macia envolve-me e sussurra-me: bem-vinda, Maria...


http://www.youtube.com/watch?v=XmtqF-YjS6g


*

Do meu telescópio, eu via Deus caminhar! A maravilha, a harmonia e a organização do Universo só pode ter-se efectuado conforme o plano de um Ser Todo-Poderoso e Omnisciente
(Isaac Newton)

Etiquetas:

domingo, 22 de março de 2009

NÓS, NÃO SOMOS POEIRA. SOMOS MAGIA!




Pensamos que, às vezes, não restou um só dragão. Não há mais qualquer bravo cavaleiro, nem uma única princesa a passear por florestas encantadas. Pensamos, às vezes, que a nossa era está além das fronteiras, além das aventuras. Que o destino já passou do horizonte e se foi para sempre. É um prazer estar enganado. Princesas e cavaleiros, encantamentos e dragões, mistério e aventura, não existem apenas aqui e agora, mas também continuam a ser tudo o que já existiu nesse mundo. No nosso século, só mudaram de roupagem. As aparências tornaram-se tão insidiosas que as princesas e cavaleiros podem esconder-se uns dos outros, podem esconder-se até de si mesmos. Contudo, os mestres da realidade ainda nos encontram, em sonhos, para nos dizerem que nunca perdemos o escudo de que precisamos contra os dragões; que uma descarga de fogo azul nos envolve agora, a fim de que possamos mudar o mundo como desejarmos. (texto de R.Bach)
*


A intuição sussurra a verdade! Não somos poeira, somos magia! Feche os olhos e siga a sua intuição
(Richard Bach)

terça-feira, 17 de março de 2009

NOITES DE GUERRAS INVENTADAS


Não sei o nome do anjo que me acorda quando presa em pesadelos me debato com os temores que invento. E sofro. E transpiro ao ritmo de um coração tresloucado. E quando sufoco ele, o anjo, agarra-me, dá-me a mão, orienta-me ao regresso no alinhar de estrelas que me conduzem ao mundo onde me deito e, por vezes, me debato com todos os elementos da Natureza, conhecidos e os outros que invento. Nem sei como é, nem sei chamá-lo mas, deve existir! Só um anjo nos sabe amparar assim.



O estudo em geral, a busca da verdade e da beleza são domínios em que nos é consentido ficar crianças toda a vida
(Albert Einstein)

domingo, 15 de março de 2009

UM TÍTULO MESMO DESINSPIRADO...


Há dias li -num jornal de distribuição gratuita-, um título de um artigo do casal presidencial francês nestes termos: Carla Bruni com o seu muchacho no México. Achei muito infeliz e nada inspirado. A Primeira-dama de França já foi modelo, já pousou nua, teve vários relacionamentos sentimentais. Tem um filho de um anterior casamento mas, desde Fevereiro de 2008 que é a mulher de Nicolas Sarkozy, o presidente dos franceses, e não se lhe conhecem, a partir daí, desvarios e paixões a não ser pelo marido.


A cantora-compositora (uma mulher lindíssima) tem sabido ser discreta e apesar de novo estatuto social não abdicou da carreira e lançou um novo disco, depois de casada. Certamente não o fez por dinheiro já que a sua fortuna pessoal é altíssima. Nasceu em Turim (foi criada na Suíça e em França, onde concluiu os estudos na Sorbonne), no seio de uma família culta, rica e prestigiada. A mãe foi pianista e o pai, industrial e compositor clássico. Carla Sarkozy nunca deixou a sua elegante casa onde vive com o filho e o presidente vai, brevemente, mudar-se totalmente para lá deixando o Palácio do Eliseu para a vertente oficial do cargo.


http://www.youtube.com/watch?v=Hk8S24q8LrA


Só há uma maneira de acabar com o mal: é responder-lhe com o bem
(Tolstoi)

quinta-feira, 12 de março de 2009

SÓCRATES, É UM INCOMPETENTE


Sócrates é um incompetente. A infeliz e pouco elegante frase política, proferida pela presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, retrata bem como tem funcionado, funciona e, por certo funcionará, o sistema provocatório, desgastante, ineficaz porque saturante, usado pela Oposição ao Governo que este ano tem nos braços três eleições. No tocante à ex-Ministra das Finanças (ministra de Estado e das Finanças do XV Governo, de Durão Barroso) que no regresso ao seio do PSD se notabilizou por um silêncio inicial infindável, mudou de táctica e assume o ataque directo ao opositor a quem quer -tem todo o direito- tirar a maioria e a vitória, claro. Só que vencer, não é para quem quer, é para quem pode!


Sócrates é um incompetente. OK. Prove. Prove mesmo e nós mandamo-lo para as termas e damos-lhe a si e ao seu partido a maioria com a qual sonham. Infeliz tem sido essa imagem de agressividade que em nada a ajuda. E dizer que... a governação socialista é uma espécie de longo intervalo publicitário... em que não foi feita qualquer reforma visível... é, no mínimo, uma infeliz consequência de uma súbita amnésia. Discutíveis ou não o que não se pode dizer de Sócrates é que ele não tem feito reformas! Fez e tenta fazer mais mas, sabe como é, o mal de Portugal ainda continua a ser a mentalidade portuguesa...


Não votei Sócrates, não pertenço ao PS, mas gostaria de ver o País na senda do progresso. Continue a perder tempo com a licenciatura de Sócrates, com os projectos de Sócrates, com o Freeport de Sócrates, mas não diga que o senhor não fez reformas. Fica-lhe mal.
*


Os poderosos poderão matar uma, duas ou três rosas mas, jamais poderão deter a Primavera
(Che Guevara)

quarta-feira, 11 de março de 2009

O ENCONTRO DA DIPLOMACIA E DA ESTRATÉGIA



Confesso que gostei de ver o Presidente Eduardo dos Santos, em Portugal, ao lado do Presidente Cavaco Silva. Mais do que o meu insignificante gostar o importante foi, sim, a importância da tamanha importância do facto que foi estes dois Presidentes se juntarem oficialmente. Aqui. Foi aqui que se encontraram e mostraram ao mundo que Angola e Portugal querem, em parceria, conquistar as suas ambições, face a novos mercados, novos projectos, embora os tempos actuais sejam de crise global. Mas, as crises nascem para serem vencidas. Criam desafios.


Portugal colonizou Angola, Angola foi colonizada por Portugal, mas isso é passado. Foi o suceder da História com tudo o que de bom e de mau o processo teve. Agora, é amanhã! É futuro! Tempo certo para a esperança, para a audácia e para a genialidade de abrir os caminhos desses amanhãs de prosperidade a dois povos que viveram já tempos de bonança e tempos brutais mas souberam ter a grandiosidade moral e humana de deixar vencer a sensatez. A sensatez tem força! Tem dignidade.

*

Ainda que os teus passos pareçam inúteis, vai abrindo caminhos, como a água que desce cantando da montanha. Outros te seguirão
(Saint-Exupéry)

domingo, 8 de março de 2009

AS MEMÓRIAS QUE A SAUDADE TECE



Há eco no som do silêncio que me envolve no cântico das palavras sussurradas dentro de mim, vindo da poeira das estrelas caprichosas, sábias, inatingíveis, misteriosas e belas. Há memórias que a saudade tece e guarda, no baú brilhante da memória altiva e gloriosa, quando agarra o tempo e o faz renascer como oásis no deserto florido. Há doces lembranças que nenhum furor de vento será capaz de dispersar.



http://www.youtube.com/watch?v=eh3Mpp1xJOs

*


A vida é uma aventura ousada ou não é nada
(Hellen Keller)

quinta-feira, 5 de março de 2009

OS MELHORES DESENRASCADOS DE SEMPRE



Esta mensagem deve ser a que mais vezes recebi por e-mail. Tantas foram que decidi publicá-la, não vá isto ser um contacto do destino que eu não tenho sabido decifrar(!). Pronto, cá vai. Fim de congelamento. Começa assim...Nasceste antes de 1986? Então lê! Se nasceste depois, lê na mesma!


Nascidos antes de 1986.


De acordo com os burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípios de 80, não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas, tintas à base de chumbo que muitas vezes lambíamos e mordíamos. Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas à prova de crianças, ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas. Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes. Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags, viajar á frente era um bónus. Bebíamos água da mangueira do jardim, não da garrafa e, como sabia bem!


Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora. Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos por causa disso. Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e, andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões. Acabávamos num silvado a rir ou a chorar, mas aprendíamos. Saíamos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer. Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso. Não tínhamos Play Station, X Box. Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis, computadores, DVD, Chat na Internet.


Tínhamos amigos - se os quiséssemos encontrar íamos á rua. Jogávamos à fisga, ao pião, à barra e a bola até doía! Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal. Havia lutas com punhos mas sem sermos processados. Batíamos às portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados. Íamos a pé para casa dos amigos, sem qualquer espécie de medo. Acreditem ou não, íamos a pé para a escola! Não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem. Criávamos jogos com paus e bolas. Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais safarem-nos. Eles estavam do lado da lei! Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre. Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas. Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a lidar com tudo isso. És um deles? Parabéns!


Para todos os outros que não têm a idade suficiente, pensei que gostassem de ler acerca de nós. Isto, meus amigos, é surpreendentemente. E, talvez, ponha um sorriso nos vossos lábios. A maioria dos estudantes que estão hoje nas Universidades nasceu em 1986, ou depois. Chamam-se jovens. Nunca ouviram We Are the World e Uptown Girl conhecem de westlife e não de Billy Joel. Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle. Para eles sempre houve uma só Alemanha e um só Vietname. A SIDA sempre existiu. Os CD's sempre existiram. O Michael Jackson sempre foi branco. Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que aquele gordo tivesse sido um deus da dança. Acreditam que Missão Impossível e Anjos de Charlie, são filmes do ano passado. Não conseguem imaginar a vida sem computadores. Não acreditam que houve televisão a preto e branco. Senhor, abana-me. Agora, vamos lá ver se estamos mesmo a ficar velhos:


1- Entendes o que está escrito acima e sorris. 2- Precisas de dormir mais depois de uma noitada. 3- Os teus amigos estão casados ou a casar. 4- Surpreende-te ver crianças tão á vontade com computadores. 5- Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis. 6- Lembras-te da Gabriela (a primeira vez quando a Assembleia da República parou para ver o final!). 7- Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos. Sim, estás, estamos, a ficar velhos mas deixa lá, tivemos uma infância porreira, do caraças!!!



http://www.youtube.com/watch?v=5XMpn-Eidz0


A ociosidade é que envelhece, não o trabalho
(Sócrates)

terça-feira, 3 de março de 2009

PENSAMENTOS DA MENTE ADORMECIDA

Um sonho que não se interpreta é como uma carta que não se lê (Talmude). O meu sonho passou muito depressa, a narrativa, os diálogos, senti-os fantasiosos mas o pensamento, esse, era mesmo meu; sentia como se estivesse acordada! Absorvia o enredo e dominava as sensações genuínas e férteis da minha mente adormecida. Olhava a baía de Luanda (do 11º andar) e da varanda, agora vazia, apetecia-me apregoar à madrugada esplendorosa e infindável (sentia nas minhas mãos o parapeito da varanda, os cheiros africanos envolviam-me, o luar cheio, enérgico, tornavam-me irreal). Inspirei a madrugada, abri os ombros e murmurei: tenho saudades...


http://www.youtube.com/watch?v=lkQhaXi0ACw



Sentimos saudade de certos momentos da nossa vida e de certos momentos de pessoas que passaram por ela
(Carlos Drummond de Andrade)


segunda-feira, 2 de março de 2009

POR FAVOR, NÃO ME ESTRAGUEM A ALMA!


Está aqui -por terras de Sintra- uma noite aberta mas com um frio muito marcante, demasiado inibidor diria eu, encarapuçada dos pés à cabeça. A transparência deixa as estrelas mais reluzentes, mais gordas, mais nossas (seja lá o que isto verdadeiramente queira dizer. Sentimos, teoricamente mas, na prática, receio (!) bem que nunca ultrapasse as pretensões poéticas e nós nunca teremos direito a tocar numa pontinha das nossas estrelas (adoro As Três Marias!). Eu suma, hoje voltei a falar com o céu inundando-o de dúvidas a que, felizmente, ele não respondeu. Se o fizesse, perdia o doce encantatório da esperança prolongada, sempre que há noites ou madrugadas brilhantes.


Estava assim nestas ilusórias divagações quando me lembrei que se tivesse poderes de visão X, estilo Super Homem, conseguiria ver os milhares, milhões, de pedaços, restos de sucata, a navegar no Espaço e, em vez da lonjura poética ficaria apreensiva. Não há muitas semanas um satélite de comunicação norte-americano e um satélite russo desactivado, colidiram a uma velocidadezinha de 670 quilómetros por minuto, estilo Ferrari m-u-i-t-o reforçado, fazendo lembrar a Segunda Circular, em hora de ponta, num dia trepidantérrimo. Mais do que o costume! Pois. Parece que foi o primeiro e o mais grave encontro chapa contra chapa, a 800 quilómetros da Terra.


Não houve problema de maior em virtude, parece, da colisão se ter dado numa órbita inacessível à aviação comercial e onde não é habitual a passagem de satélites ou plataformas. Será. Mas, com tantos milhares de satélites desactivados, boiando na valsa dos esquecidos nas imensidões espaciais, correremos nós, simples e frágeis mortais, o risco de, um qualquer bonançoso dia, apanharmos na cabeça com a maçaneta de uma tresloucada nave? Sim, é que deste encontro Iridium/ satélite russo, na terra dos mortais caíram, pelo menos, 14 mil fragmentos. Vejam lá, por favor, não me estraguem a Alma...


http://www.youtube.com/watch?v=qCit1RP3uys


*

Os números governam o mundo
(Platão)